30 agosto 2017

Lúcifer (Primeira temporada)

Ano de lançamento:2015
Gênero:Drama,fantasia e policial
Tempo de duração: 42min
Numero de episódios: 9 episódios  (primeira temporada) 18 episódios (segunda temporada)  22 episódios (terceira temporada)
Numero de temporadas:3
Sinopse: Entediado e infeliz como o Senhor do inferno, Lúcifer abdica de seu trono e abandona seu reinado para viver na atordoada Los Angeles. Lá, ele dá início a outro empreendimento: ele abre um Piano-Bar chamado Lux.

  Já faz algum tempo que eu estava querendo falar dessa série, antes mesmo de ela colocada no catálogo da Netflix. Apesar de parecer um tanto polemica por sua temática, a série é bem descontraída, isso se você deixar a  questão da religiosidade de lado,aqui toda a hierarquia divina é tratada como algo familiar,sendo uma pessoa religiosa não fervorosa,não me incomodei praticamente em nada,mas caso ao contrário isso pode ocorrer.

   Lúcifer nos traz uma perpesctiva interessante da questão céu versus inferno,sem falar no próprio Lúcifer que nos é apresentado, uma figura mais humanizada, mas sem deixar de ser uma figura altamente pecaminosa,mas que ao que parece so está cansado da questão celestial e cheio de boas intenções.Uma das coisas que eu mais curti na série é que a figura humana do protagonista não é algo exagerado,principalmente na questão estética,Tom Ellis intérprete do personagem é um cara que pode até chamar atenção pela beleza,mas conquista mesmo é no charme (e no sotaque britânico também) sem falar que captou muito bem a essência do papel que interpreta.

    A série também é uma boa pedida para quem gosta de trama policial que tenha na fórmula um pouco de humor,o que eu acho que faz toda diferença no enredo,creio que a série soube dosar muito bem seus elementos,indo do drama até humor,passando pelo romance sem pesar em nada.


   Lúcifer é uma boa pedida para quem quer uma série divertida,mas sem ser uma comédia total,a terceira temporada já foi confirmada, no momento estou assistindo a segunda temporada,então em breve eu devo estar aqui comentando sobre a série novamente!

23 agosto 2017

Dicas para melhorar a aparência do seu blog

     Recentemente fiz algumas  alterações no layout do blog, como já devem ter percebido, não  o modifiquei completamente,pois acho que me arrependeria,então apenas modifiquei  o que eu julguei necessário tanto no sentido de inovar como no sentido  de melhorar a experiência de quem visitar o blog.

                Pensando nisso,resolvi fazer  um post para quem começar um blog ou para quem já tem um,mas tem algum receio no que pode ser melhorado ou não,lembrando que esse post foi escrito baseado na minha própria experiência

  Vem conferir as dicas!



Mantenha um visual clean= Quando eu digo isso, me refiro principalmente ao background (fundo) evite usar cores fortes,pois força a vista e automaticamente deixa a leitura dos seus posts mais cansativa,isso valem também para fundos muito enfeitados

Evite usar muitos gagdets=Está certo que alguns são necessários e até mesmo indispensáveis,mas evite aqueles que você não usa muito ou que serve só para enfeites,além de poluir visualmente,eles podem prejudicar n carregamento do seu blog,deixando-o mais lento na hora de carregar

Largura=É importante nem ser demais,nem de menos,principalmente na sidebar  (lateral) eu demorei muito para acertar nesse quesito,até achar um ideal foi difícil,claro que isso varia de blog para blog.

Um toque pessoal= Parece um tanto desnecessário colocar isso no blog,mas é que na maioria das vezes ficamos tão focados  na própria identidade do blog que esquecemos  de incluir um pouco do nosso próprio toque pessoal.



  E ai galera o que acharam das dicas? Deixem  ai nos comentários, beijos e até a próxima!

16 agosto 2017

[RESENHA] Born To Run

Autor(a):Bruce Springsteen
Editora:Leya
Número de páginas:496
Ano de lançamento:2016
Sinopse:Bruce Springsteen por ele mesmo: a autobiografia que está sacudindo o mundo.
Um dos artistas mais admirados e influentes da história do rock and roll mundial, Bruce Springsteen passou os últimos sete anos escrevendo secretamente a história de sua vida. O resultado é Born to run, esta autobiografia extraordinária, que a LeYa publica quase que simultaneamente ao lançamento mundial. 
O livro, que se tornou um best seller instantâneo e atualmente ocupa a quinta posição entre os mais vendidos da Amazon americana, carrega a mesma honestidade, humor e originalidade que Bruce imprime a suas canções. Nele, o músico descreve sua criação católica, a obsessão pela carreira musical, o início em bares ao apogeu da E. Street Band e, com muita sinceridade, fala pela primeira vez das batalhas pessoas que inspiraram seus melhores trabalhos. 
Born to Run será reveladora para qualquer um que goste de Bruce Springsteen, mas vai muito além das memórias de um legendário astro do rock. Este é um livro para trabalhadores e sonhadores, pais e filhos, apaixonados e solitários, artistas, loucos, e qualquer um que já tenha desejado ser batizado nas águas do rio sagrado do rock and roll. E se torna indispensável por trazer a reflexão sobre o posicionamento do artista e o papel da cultura em um contexto de crise e perda de valores humanos. 
Raramente uma lenda como Bruce contou sua própria história com tanta força e vigor. Como nas canções (“Thunder Road,” “Badlands,” “Darkness on the Edge of Town,” “The River,” “Born in the U.S.A,” “The Rising,” e “The Ghost of Tom Joad,” para ficar somente com algumas), sua autobiografia foi escrita com o lirismo de um poeta singular e a sabedoria de um homem que refletiu profundamente sobre suas experiências

   Hey leitores inconstantes! Hoje eu trouxe uma resenha de uma autobiografia que eu queria a tempos resenhar,de ninguém menos que Bruce Springsteen,um dos maiores astros do rock,talvez muito de vocês não o conheçam, mas com certeza já ouviram falar dele em algum momento,principalmente pela suas passagens aqui no Brasil,onde ele sempre arrasa!


Tinha dois braços, duas pernas, dois olhos como ele. Era horroroso, mas vamos pular essa parte... então, o que estava faltando? A GUITARRA! Ele batia nela, se encostava nela, dançava com ela, gritava com ela, a apertava, acariciava, segurava na frente de seus quadris e, de vez em quando até tocava.


  Começo essa resenha dizendo que não sou fã dele, mas por influência da minha mãe, conheço algumas músicas e quando vi o livro me senti curiosa para saber um pouco mais a respeito dele,confesso que me surpreendi  bastante conforme fui avançando na leitura.
Pais de Bruce

  "Born to run" trata-se de uma autobiografia bem detalhista, divida em três livros,o primeiro sendo nomeado de "growing up" que se foca mais na infância do cantor e como era sua relação com a familia,o segundo nomeado "Born to run" nos mostra a ascensão de Bruce na música e como nada veio fácil, nele também conhecemos um pouco melhor a sua banda,a e-street Band, e o último livro chamado "Living Proof",temos um visão mais intima da vida de Bruce na vida adulta,nele conhecemos a história de como conheceu a sua esposa e como foi a sua experiência de ser pai,afinal não é só de rock que se vive.

Aos 24 anos já tinha sentido  o gosto desse mundo e,para o melhor ou pior, era essa vida que queria viver.



   Em todas as partes do livro é possível perceber a espontaneidade, assim como em sua vida,Bruce foi intenso na sua escrita,como uma linguagem muito simples na qual ele parece está tendo uma conversa franca com o leitor,a leitura nos leva a muitas reflexões se baseando nas situações vividas pelo astro.


O material que levou sete anos para chegar o resultado final,segundo Bruce, deu como fruto uma maravilhosa leitura especialmente para quem é fã, enquanto eu lia,intercalei entre momentos divertidos,tensos e também comoventes. Mas apenas uma ressalva: eu recomendaria esse livro em três situações: Se você é fã de Bruce Springsteen, se interessa por biografias ou gosta de ler,independente do gênero literário, caso você não se encaixe em nenhum desse requisitos,será difícil se apegar a leitura e conclui-la.

 Aprendi que todos nós precisamos de um pouco loucura.O ser humano não consegue sobreviver só com sobriedade

 Outro ponto que eu não poderia deixar de fora foi o capricho da editora Leya com a edição, folhas amareladas e grossas como a maioria dos leitores gosta e a impressão de fotos em papel fotográfico, fotos essas vindas do acervo pessoal de Bruce e que enriqueceu ainda mais seu livro.

"Born to run"não é só um presente e tanto para os fãs de Bruce Springsteen, como também é ideal para aqueles que tem um pouco de curiosidade sobre a sua vida,mesmo que não seja tão 





Ressaltando que essas só são alguma das fotos contidas na biografia,eu aqui apenas selecionei algumas.

09 agosto 2017

[Resenhando Ebooks+ Parceria] Parceria Nina Spim+ Resenha do conto imersão

   Hey leitores inconstantes! Eis-me aqui para anunciar mais uma nova parceria com uma autora naciona,dessa vez a parceria é com a Nina Spim,nesse post quero lhe dar boas vindas e apresentá-la para quem ainda não a conhece.

   Ah,gente! Vocês não fazem ideia de como eu fico feliz com essas parcerias com autores,além de ser algo que valoriza nosso trabalho como blogueira,é muito bom apresentar novidades para vocês e ver como a nossa literatura nacional está se expandindo e ainda fazer parte disso de alguma forma,melhor sensação! Agora sem mais enrolação,aqui  a bio da autora para vocês:


Nina Spim é uma escritora sonhadora dotada de blue feelings. É acadêmica do curso de Jornalismo na PUCRS. Autora dos contos “Heart and Love” e “Coisas, definitivamente, de Amélia”, das Antologias Amor nas Entrelinhas e Aquarela, respectivamente, pela Andross Editora. Autora dos contos "Caleidoscópio", "Imersão" e "Sutilmente", publicados na Amazon, e do conto "Roda-gigante", publicado online na revista Fluxo. Pela Darda Editora foram "No Silêncio de um retrato" na Antologia Ridículas Cartas de Amor e "Entre as cinzas e o fogo" na Antologia Valquírias, além de poemas na Antologia Ondas Poéticas. Colaboradora nos sites Revista Pólen e HEADCANONS.

Seja bem vinda, Nina a nosso blog! <3

Agora vamos a resenha do conto imersão


Autor (a) Nina Spim

Editora: Amazon

Número de Páginas: 5 páginas

Ano de lançamento: 2015 

Sinopse:Os dias difíceis parecem normais para todos, certo? Mas, no caso de Lou, um dia difícil é muito mais do que isso. É uma luta constante contra si mesma e seus demônios invisíveis. Caio, seu marido, a aceita como é e muitas vezes precisa ser firme. O que é a depressão para você? Até quando você poderia vê-la desgastando a pessoa que mais ama?
           Compre aqui 

    Imersão trata-se de um conto que possui uma leitura extremamente fluida,não somente pelo seu tamanho,mas também pela sutileza com qual o assunto da depressão é tratado,algo que me chamou a atenção aqui é que mesmo sendo narrado em primeira pessoa,essa pessoa não é a que sofre de depressão,mas a que convive com uma,que no caso é sua esposa.

Ainda que haja leveza, sinto o coração de Lou bater dolorido em seu peito. Não implora mais, porém ainda pede algum cuidado.

  Foi interessante ler um “relato” de alguém que convive de uma forma tão próxima,mas indireta com a depressão,a impressão que tive é de alguém mais compreensivo que a maioria das pessoas,mesmo que ás vezes as coisas não lhe pareçam tão simples ás vezes,o que é algo bem realístico e sem falar que deixou a narrativa mais leve,creio que se fosse a Lou narrando provavelmente não teria tal leveza.
A imersão na qual Lou nos colocou não pode nos atingir agora, pois tudo o que há por perto é calmaria.
  Imersão é uma leitura rápida,porém madura sobre a depressão e que contém uma certa suavidade graças ao amor de Caio e Lou.


Mas, hoje, entendo que essa situação não é uma simples tristeza passageira. É assim que a maioria acha que pode explicar essa doença.

01 agosto 2017

A influência de ser fã de Harry Potter e o que é ser fã.

Hey leitores! Tudo bem com vocês? Hoje o post vai ser pouquinho diferente,mas espero que gostem.Aproveitando que nessa semana a autora J.K Rowing fez aniversário no mesmo dia da sua criação,resolvi fazer um post contando um pouco da minha experiência com a saga e o que é ser fã pra mim.

   Para quem acompanha  blog há algum tempo,já devem ter percebido que sou fã da saga,prova disso é que até no layout do blog há referências,isso não foi por acaso,acreditem.Tudo começou quando assisti  o segundo fime da série,mesmo não gostando de primeira,dei uma segunda chance e a partir daí me interessei por tudo que envolvesse Harry Potter e isso já tem mais de dez anos.


    Verdade que dei uma desacelerada, mesmo tendo os livros que comprei em edição econômica guardados até hoje,e relendo todas as obras,alguns fatores me fizeram “desapegar” um pouco,como a morte do ator Alan Rickman e é claro que conforme crescemos as coisas mudam,mas ainda sim acho que isso não me faz ser menos fã da saga.

   Posso dizer que ser fã me influenciou na minha vida de uma forma que eu não imaginava,com por exemplo,me interessar em aprender um idioma que é o inglês,me interessar em escrever,querer conhecer sempre um pouco mais da cultura inglesa e ter como uma das metas de vida conhecer Londres,entre outras coisas.

  O que quero dizer com esse post é que ser fã de algo ou alguém pode influenciar a sua vida de forma positiva e que isso deve ser usado de forma favorável para te incentivar a ir mais além. Não sou  o tipo de pessoa que quase não possui ídolos,mas os pouquíssimos que tenho de uma forma ou outra me incentivam de uma forma muito positiva,eu usei  exemplo de Harry Potter apenas para ilustrar isso.

  Acho que ser fã de uma maneira saudável e respeitosa é  o que há de melhor,não confundir isso com fanatismo,que é algo prejudicial tanto para  o artista como para o fã.

  Então,galera...Agora me respondam,vocês possuem algum ídolo? Quem? Deixem aqui nos comentários suas respostas! Até a próxima!
imagem-fundo imagem-logo