18 outubro 2017

Vantagens e Desvantagens de ter domínio próprio

 Hey,leitores inconstantes! Tudo bem com vocês?  Bom,como vocês já devem  ter reparado que o nosso blog agora possui um domínio próprio,depois de muito tempo em dúvida e com receio de não conseguir  mudar o endereço ,além do receio de perder tudo,dei uma pesquisada e fui a luta,o meu foi o superdominios.com.

  Mudar o blog para um domínio próprio é bem mais simples do que parece ainda mais guiada  por um bom tutorial e nada muda além do endereço,a forma de postagem  e tudo mais continua a mesmíssima coisa,exceto se você quiser pagar também pela hospedagem,ai  já é outra história...

  É claro que antes de mudar eu pesquisei um bocado sobre as vantagens e desvantagens do domínio próprio para tomar a decisão final,por isso resolvi fazer esse post para vocês,vamos conferir?


As Vantagens...

-Facilita a memorização do endereço do seu blog:  Passei muito pela seguinte situação: eu dizia para as pessoas que tinham um blog,elas me perguntavam o endereço e eu simplesmente não me lembrava devido ao “Blogspot” pode parecer bobagem,mas isso sempre me confundia.

-Dar uma aparência  mais profissional  ao blog:Mesmo que você tenha o mantenha por uma questão de hobbie (O que é o meu caso) é legal ter um domínio,principalmente se você visa ter parceria comercias no futuro.

-Não custa caro como a maioria das pessoas pensam: Quando eu comecei o blog já pensava muito na questão de domínio,mas sempre me vinha a cabeça que era uma coisa cara, sendo que não é bem assim, sem falar que é um gasto anual.



-As desvantagens...

-Um compromisso a mais: você terá que se preocupar em pagar anualmente a sua hospedagem para manter eu blog no ar,o que não é vantajoso se você não quiser assumir um compromisso mesmo que seja anual.

-Começando de novo: Se você se importar com o PageRank que basicamente falando é uma ferramenta que mede a importância da sua página na internet,não é bom negócio,pois você perderá a sua relevância porque seu site é novo quando você compra o domínio,mesmo já tendo anos  de blog.


-Indexação:Quase o mesmo problema do PageRank,só que em relação aos mecanismos de busca que não mostrarão seu blog nos resultados de busca inicialmente já que seu blog com domínio próprio começará do zero.

04 outubro 2017

[TAG] Diferentona

   

   Olá leitores inconstantes! Hoje eu vou responder mais uma tag para vocês,dessa vez é a tag diferentona que já faz algum tempo que eu vi,por isso não me lembro em qual blog eu vi e como eu respondo a elas mesmo sem ser convidada,trouxe essa para vocês (sim,sou dessas)
    Vendo as perguntas vocês irão entender a #tag direitinho,sem a menor a dificuldade,espero que curtam!

   1-   Só eu que li? - Um livro que a maioria das pessoas desconhece, mas você leu.
Esposa 42 sem dúvidas! Na verdade acho que poucas pessoas que leram o livro gostaram dele,o que eu acho uma pena,pois ele trata de assuntos atuais de uma forma bem divertida.



2        Só eu que não gostei? - Um livro aclamado, menos por você.
Vou criar uma pequena polemica,mas sinceramente o livro “ O ar que ele respira” pra mim foi bem decepcionante mais especificamente o seu mocinho,que cara chato eu achei,mesmo entendo bem os dramas que ele havia passado.

3-Só eu que vi apenas o filme? - Um livro que você quer muito ler, mas só assistiu ao filme.
“O  conde de Monte Cristo” eu vi o filme sem saber da existência do livro,e amei tanto o filme que fiquei na vontade de conhecer sua versão literária.



4-Só eu que não li nada dele(a)? - Um autor famoso de quem você nunca leu um livro.
Morro de vontade de conhecer a literatura russa,então minha resposta pra essa pergunta é Fiódor Dostoievski,pois acho que ele se encaixa bem nesse requesito.


5. Só eu que gostei do malvado? - Um livro com um vilão (ou não-herói) pelo qual você torceu mais do que pelo mocinho.
Minha resposta para essa é no mínimo exótica,mas vai Cujo de Stephen King,eu torci igualmente tanto para suas vitimas como para ele,porque no final de tudo ele de certa forma foi  uma vitima

6. Só eu que acho que panela velha é que faz comida boa? - Um livro já desgastado, mas que você ama.


 Minha primeira coleção de Harry Potter,que tem um significado muito grande e especial pra mim,não tenho planos de me desfazer dela por nada!

7. Só eu que leio nacionais? - Um autor nacional que você adora.
Eu podia citar um autor parceiro do blog,mas seria injusto escolher um,então fico com o Raphael Montes,estou inclusive querendo completar os livros dele,acho um máxmo as suas narativas

8. Só eu que amo clássicos? - Um livro clássico que você gostou.
“O Cortiço” foi o primeiro clássico brasileiro que li e gostei,talvez porque sua narrativa seja bem realista pra época com um toque  de comédia.


9. Só eu que li antes de virar filme? - Um livro que foi/vai ser adaptado para o cinema e você leu antes.
“Como eu era antes de você”,na verdade eu li ele antes mesmo de se tornar famosinho,me lembro que amei tanto ele que recomendei pra todo mundo,na verdade eu ainda recomendo quando tenho a oportunidade.


10. Só eu que odiei o (a) principal? - Personagem principal que você odiou.

Eadlyn do livro “A herdeira” da série  “a seleção”,gente que menina chata! Nem parece filha de quem é,não me desceu mesmo nem no outro livro da série,e olha que finalizei a série pra ver se isso mudava.

 E ai gente,o que acharam da tag? Se identificaram com alguma resposta? Conta pra mim aqui nos comentários e até o próximo post. <3

27 setembro 2017

[Resenhando Ebooks] Um ano Sabático

Autor(a): Renata R. Corrêa
Número de paginas:264
Ano de lançamento: 2017
Sinopse:Quando os sonhos de Rafaela, uma jovem fisioterapeuta, se transformam em pesadelos, ela é diagnosticada com Síndrome de Burnout. De repente, nada mais em sua vida parece fazer sentido, e na busca de si mesma e da felicidade perdida ela precisará ter coragem para recomeçar do zero.
   No seu ano sabático, um tempo de descanso, aprendizado e recomeços, ela se redescobrirá, encontrando coisas que se perderam com o tempo e tentará resgatar a simplicidade dos valores importantes da vida. No meio dessa encruzilhada, que definirá o rumo do seu destino, ela conhecerá o amor verdadeiro. Tudo isso serão pilares fundamentais para sua recuperação e, quem sabe, para encontrar a verdadeira felicidade.


     O post de hoje é pra resenhar mais um livro da nossa autora parceira Renata Corrêa, lançado somente em formato em Ebook. Tenho que confessar que estava na maior ansiedade para resenhá-lo, então vem conferir mais essa resenha!

     Um ano sabático fala de um distúrbio pouco falado abertamente e que é bem semelhante a depressão,como a história é narrada em primeira pessoa dá pra sentir muito bem a intensidade do que se passa com Rafaela,é como se estivéssemos "espiando" a vida da personagem.

— Me sinto mesmo esgotada... — Subitamente me senti triste. Eu nunca imaginei que estivesse doente.

     Um dos primeiros pontos que mais me agradou e chamou a atenção é que não tem enrolação para se chegar ao ponto principal da história, logo de cara já sabemos que algo está errado, o que sem dúvida ajudou em muito para deixar a leitura rápida, não cansativa e é claro,aquela leveza da qual eu sempre cito quando resenho os livros da Renata,isso nunca fica de fora.

Há tempos, as coisas haviam deixado de fazer sentido em minha vida, e no fundo eu sabia que o trabalho excessivo era o grande culpado. Ouvir aquilo tudo foi o começo do fim.

     O enredo passa a seguinte mensagem: que ajuda tratamento e compreensão são fundamentais quando se passa por algo assim,mas que também é necessário o amor próprio, a força de vontade e iniciativa de mudanças que te incentivem ir além da sua zona de conforto,que faça até realizar sonhos adormecidos pelo cansaço da correria da vida, particularmente achei muito bacana isso,porque meio que desperta a gente, fazendo-nos refletir. 

O começo do fim nem sempre é ruim. Porque, às vezes, é preciso colocar pontos finais em diversas situações na vida. Era tempo de colocar os meus.

     E claro que há espaço para o romance,mesmo ele não sendo o foco central da história, mas o que seria de um livro de dona Renata sem um romance para nos fazer suspirar nem que seja um pouquinho?! E aproveitando, outra coisa que notei foi a evolução da autora na escrita,a cada livro sinto uma evolução dela e fico muito feliz por isso! E assim ela vai criando uma estrutura muito característica dela,tipo uma marca própria, o que é bom.

Entre um beijo e outro, trocamos olhares cúmplices e sorrisos nervosos. Tínhamos medo, mas estávamos envolvidos por uma magia que eu ainda não conhecia.

    Enfim,um ano sabático é um livro para se refletir sobre o que nem sempre está em nosso controle.
imagem-fundo imagem-logo